quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Num belo dia de sol, eu saí de um supermercado onde acabara de sacar um dinheiro, uma cigana bate no vidro do carro pedindo um dinheiro pra comer alguma coisa. Detalhe: Ela estava grávida. Claro que eu não neguei. Dei 2 reais.. (sim, eu sei que é pouco, mas não tenho um árvore de dinheiro).

Ela ficou muito agradecida e pediu uma nota de dez reais para fazer uma reza e me proteger "de todos os males que me cercavam". Jurou que depois me devolveria os dez reais. Eu dei e ela iniciou umas rezas com palavras desconexas, achei que ela tava num transe.. No final, a pobre notinha estava toda amassada, coitada, pior que dinheiro de bêbado.

Quando eu pedi a nota de volta..adivinhe... ela disse que se me devolvesse a nota, todo o mal voltaria pra mim. Eu como não acredito bulhufas nessas tranqueiras, fiquei discutindo com a moça e chamando atenção de todo mundo. Até que desisti e fui embora, bufando de raiva. Afinal, perdi 12 reais na brincadeira.

Mas foi bom porque depois daquele dia, nunca mais dei um centavo pra ninguém...

Agora eu sou curto e grosso:

- Um homem de uns 25 anos um dia me parou na rua e pediu umas moedas, eu nem dei bola.
Aí ele, indignado, berrou: - "Eu podia tá roubando..!!
Eu respondi na lata: - "Mas também podia tá trabalhando, porque na região, não trabalha quem não quer!!"

Outro dia cheguei no prédio que trabalho super atrasado, uma senhora me parou na porta do prédio:
- "Moço, não tem uma moeda pra me dar?"
- "Não tenho, não!" e subi as escadas correndo.
Na saída ela bloqueou minha passagem:
- "Moço, não tem mesmo nenhuma moedinha pra me dar?"
Eu respondi:
-"Não tenho moedas comigo, mas porque eu preciso trabalhar pelas moedas e vocês não?! Porque pra vocês basta pedir e ter dinheiro na mão e eu preciso trabalhar por ele?"

Sim, eu sei que vou pro inferno quando morrer, mas cansei de ser ludibriado por pessoas que querem tudo fácil.
Categories:

1 comentários:

Arthur Tavares disse...

Em Criciúma-SC, uns 10 anos atrás, foi presa uma senhora que passava toda semana na frente de um banco.
Maltrapilha, suja e visivelmente mal cuidada, ela esmolava.

O motivo de sua prisão foi estelionato: Com as esmolas que ganhava, criou três filhos (mandando-os para estudar fora do país, inclusive) e morava em uma bela casa, em um bairro de classe média da cidade.

Em 2008 o superintendente pela África, na ONU já suplicava para que parassem de ajudar o continente. A ajuda só enriquece a quem trabalha nas instituições assistenciais e compete desigualmente com as iniciativas privadas.

Quem dá esmola é quem vai para o inferno.
Quer ajudar alguém? Ensine-o a trabalhar.

Subscribe to RSS Feed Follow me on Twitter!