quinta-feira, 22 de março de 2012


Perguntas que deixam os professores doentes:

Quantas dessas você já perguntou? Eu, a maioria delas...

- É para copiar? (Essa é clássica....)
- É pra responder?
- É pra fazer agora?
- Vai valer ponto?
- Cai na prova?
- É pra trazer o livro?
- Posso usar o celular?
- Quantas linhas eu pulo?
- Que dia é hoje? (E a data já está no quadro desde o início da aula)
- É pra copiar de caneta ou de lápis?
- Você é professor de matéria mesmo? (No 2º bimestre)
- Como é seu nome mesmo? (No 3º bimestre)
- Você só dá aula ou também trabalha? (Essa é terrível!!)
- Meu caderno acabou. O que que eu faço?
- Esqueci meu trabalho em casa, posso entregar amanhã?
- Vai ter prova de recuperação? No momento em que o professor está entregando a primeira prova.
- Minha resposta tá certa? Tá faltando alguma coisa? (Durante a prova)
- Eu não sei a resposta. Deixo em branco?
- Ué!! Hoje tem prova?!
- Hoje tem prova de quê?
- Vai ser com consulta?
- Pode ser em dupla?
- Trabalho? Que trabalho?
- É pra responder com as minhas palavras?
- Esqueci de estudar. Posso fazer a prova amanhã?
- Professor, quando é que você vai faltar?
- Professor, você nunca fica doente?
- A gente pode sair mais cedo hoje?
- Vamos ter que escrever muito hoje?
- Quanto você ganha?
- Essa reunião vai demorar muito? ( A reunião nem começou e a mãe do aluno já pergunta...)
 A gente assiste a tanta falcatrua nesse país, as vezes dá um asco assistir tv, como na reportagem de domingo no programa Fantástico da Globo. Propina, corrução, desvio de verba pública, do meu, do seu dinheiro dos impostos enriquecendo pessoas sem escrúpulos, que até dá um desânimo de trabalhar, tendo que pagar tanto imposto e ver esse mesmo imposto escoando pelo ralo.



Esse ano tem eleições, então é hora de rever as escolhas e não votar nessas aves de rapina que não largam a teta e querem a todo custo manter as benesses de um cargo público não tempo capacidade, nem caráter para isso.

Três elementos básicos identificam um filme: uma marca, o carro, moto, helicóptero, navio, trem..... e o ano 
de lançamento. Você saberia dizer o nome do filme?


































Exatamente hoje, à 30 anos atrás foi lançado no mercado um disco que seria o divisor de águas de uma das bandas de Heavy Metal ( com maiúsculas, mesmo) mais admiradas no mundo. O disco The Number of the Beast do Iron Maiden e na estreia o vocalista Bruce Dickinson.

Eu sutilmente sugeri ao meu amigo secreto no natal de 1997, que comprasse esse CD e dei sorte.

O disco que colocou o Iron Maiden no topo é um clássico e até a revista Metal Hammer italiana de hoje também faz uma homenagem a um dos mais conhecidos discos da dama de ferro.
O repertório oficial do disco é esse:
1.  Invaders
2.  Children of the Damned
3.  The Prisoner
4. 22 Acacia Avenue ( a minha preferida)
5. The Number of the Beast
6. Run to the Hills
7. Gangland
8. Hallowed be thy Name.

Vídeo do YouTube de "22 Acacia Avenue" do Iron Maiden no Hammesmith Odeon em 1982

quarta-feira, 21 de março de 2012

Você que já leu muito livrinho de histórias, diga quem são essas personagens das histórias infantis...








Chegando no mercado brasileiro em setembro de 2012 uma concorrente de peso para a Kawasaki Ninja 250 e para a Kasinski Comet GT-R 250. Apesar do nome CBR estampado na carenagem, não é tão esportiva como suas irmãs maiores como mesmo nome. 
Ela é uma moto mais para o dia a dia, embora tenha o banco bipartido, freios a disco com C-ABS e suspensão monoamortecida na traseira. 
 As pedaleiras recuadas, o guidão rebaixado e os espelhos na carenagem dão uma cara bem esportiva á nova 250 da Honda.
 A diferença da CBR para a Ninja 250 e para a Kasinski está no motor, na CBR é produzido na Tailândia e tem um cilindro que produz aproximadamente 26 cv's, enquanto o motor da Kawa Ninja com dois cilindros paralelos produz 33 cv's e da Kasinski Comet GT-R 250 com motor Hyosung de dois cilindros em V feito na Coréia do Sul, produz 32,5 cv's.

 A Honda, nesse projeto optou pelo motor mais econômico voltado ao mercado emergente das pequenas cilindradas....

O painel com conta-giros central já é uma marca de esportividade. O preço final deve girar em torno de 18 mil réis...Vale?
Saiu no Jornal O Informativo de Lajeado de hoje....
Sugiro ao senhor senador que deixe então o cargo para alguém que queira receber essa "mixaria" e parta para a iniciativa privada. Tem cabimento?
Subscribe to RSS Feed Follow me on Twitter!