sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

O metro de Bruxelas vive uma experiência incomum nesse domingo. A partir das 15h, os usuários do metro são convidados a remover suas calças e andar por aí com roupas íntimas, como se nada estivesse acontecendo. O evento é chamado de "No Pants Subway Ride" e é organizado pela primeira vez em Bruxelas, mas o evento já está ocorrendo em 59 cidades de 27 países.


A ideia vem de Nova York, que este ano terá lugar a décima edição do evento. Em Bruxelas, a experiência é organizada por Richard Medic, um australiano de 41 anos de idade, de Melbourne. "Eu notei na semana passada que ainda  não aconteceu este evento em Bruxelas, por isso lancei a ideia", explica.

Acontece então na Estação de Metrô Louise, domingo, às 15h, e os participantes recebem todas as instruções. Eles devem estar vestidos normalmente quando chegarem. E apenas no metrô que deverão tirar a roupa e ficar só com roupas íntimas.

O evento vai durar cerca de uma hora e passa pela estação Arts-Loi para terminar na estação de St. Catherine. Existem atualmente mais de 300 pessoas que manifestaram interesse no Facebook. "É mais do que eu imaginava", disse o organizador, que não sabe quantas pessoas vão realmente estar presente às 15h de domingo na estação de Louise.
Parece que não há nada de interessante para acontecem em Bruxellas por esses dias...
Ah vai.. tem algumas até que são mais ou menos.....





Vai Pétrisson, mas leva um dicionário de português contigo....











Que tal uma Malzbier?

Nos anos 70 era assim...
Aprendam com o Netflix!!


Continue fumando e logo logo você verá o mundo de outro ângulo...



" Na metade de uma aula em uma universidade, um dos alunos, inesperadamente perguntou ao professor:
- você sabe como se capturam os porcos selvagens?
O professor achou que era uma piada e esperava uma resposta engraçada. O jovem respondeu que não era uma piada, e com seriedade começou sua dissertação:
- você captura porcos selvagens encontrando um lugar adequado na floresta e puxando um pouco de milho no chão. Os porcos vêm diariamente a comer o milho de grátis. Quando se acostumam a vir diariamente, você constrói uma cerca ao lado do local onde eles se acostumaram a vir. Quando se acostumam com a cerca, eles voltam para comer o milho e você constrói outro lado da cerca...
Eles voltam a acostumar-se e voltam a comer. Você vai pouco a pouco até instalar os quatro lados do cercado em torno dos porcos, no final instala uma porta no último lado. Os porcos já estão habituados ao milho fácil e às cercas, começam a vir sozinhos pela entrada. É aí quando você fecha o portão e captura a todo o grupo.

Simples assim, em um segundo, os porcos perdem sua liberdade. Eles começam a correr em círculos dentro da cerca, mas já estão sujeitos. Depois, começam a comer o milho fácil e gratuito. Ficam tão acostumados a isso que esquecem como caçar por si mesmos, e por isso aceitam a escravidão; mais ainda, mostram-se gratos com os seus captores e por gerações vão felizes ao matadouro.
O jovem comentou com o professor que era exatamente isso que eu via acontecer no seu país, no seu estado, em sua cidade, no seu povo.

Onde governos ditatoriais, escondidos sob o manto "Democrático", Lhes esteve jogando milho gratuito pelo tempo suficiente para alcançar a mansidão sistemática.
Cada novo " Governo Salvador " disfarçando em programas de ajuda suas esmolas, dá dinheiro, missões, planos, remissão, leis de " Proteção ", Subsídios para qualquer coisa, expropriações indevidas, programas de "Bem-estar social", Festas, feiras ou festivais, uniformes, úteis, transporte "Grátis", G R A T I s!

Toda essa gratuidade que nos oferecem os governantes e cheia de felicidade para um povo acostumado com as migalhas do milho fácil e gratuito, roubam-nos a capacidade de ser críticos pensantes e pessoas empreendedoras.

No entanto, claro que nada nos saiu de graça. "Não existe almoço grátis".
Finalmente, se você se dá conta de que toda essa maravilhosa " ajuda " Governamental é um problema que se opõe ao futuro da democracia no nosso país, deveria compartilhar esta mensagem."
Quando as pessoas começam a vasculhar o porão ou o sótão em busca de algo esquecido ou perdido, acabam encontrando fotos antigas e muito estranhas como essas 15 fotos assustadoras que não tem explicação....

15 creepy photos that defy explanation

1. Um espantalho causou a explosão?
1. A scarecrow caused that explosion?

2.  Esta empregada doméstica mascarada
2. This maid masked


3. O que há no ar?
3. What's in the air?


4. Mickey sempre me passou um mau pressentimento
4. Mickey always gave me a bad feeling


5. Um casamento? Não me parece...
5. A wedding? I do not think so


6. Truque ou tratamento?
6. Trick-or-treating

7. Um grupo de pessoas sem rosto
7. A group of faceless people



8. O que isso pode ser?
8. What can this be?

9. Que vestidinho bonito....
9. This cute dress


10. Se você vai pra floresta pra ficar seguro....
10. If you go to stay safe forest ...


11. Que tal esse olhar brilhante.....??
11. These white looks


12. Não é possível encontrar uma explicação lógica para isso...
12. Can not find a logical explanation for that

13. Arrepiante...
13. Chilling!

14. Essa foto é bem interessante, o pai foi registrar o momento da menina brincando na sala e quando recebeu as fotos do estúdio... que medo.
14. This light shaped skeleton is no accident


15. Eles alegam que não havia nada no momento em que o pai tirou a foto
15. They claim that there was nothing at the time who took the photo

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016


Há alguns anos, a Universidade de Stanford (EUA), realizou uma experiência de psicologia social. Deixou duas viaturas idênticas, da mesma marca, modelo e até cor, abandonadas na via pública. Uma no Bronx, zona pobre e conflituosa de Nova York e a outra em Palo Alto, uma zona rica e tranquila da Califórnia. Duas viaturas idênticas abandonadas, dois bairros com populações muito diferentes e uma equipe de especialistas em psicologia social estudando as condutas das pessoas em cada local.
Resultou que a viatura abandonada em Bronx começou a ser vandalizada em poucas horas. Perdeu as rodas, o motor, os espelhos, o rádio, etc. Levaram tudo o que fosse aproveitável e aquilo que não puderam levar, destruíram. Contrariamente, a viatura abandonada em Palo Alto manteve-se intacta.
Mas a experiência em questão não terminou aí. Quando a viatura abandonada em Bronx já estava desfeita e a de Palo Alto estava há uma semana impecável, os pesquisadores partiram um vidro do automóvel de Palo Alto. O resultado foi que se desencadeou o mesmo processo que o de Bronx, e o roubo, a violência e o vandalismo reduziram o veículo ao mesmo estado que o do bairro pobre. Por quê que o vidro partido na viatura abandonada num bairro supostamente seguro, é capaz de disparar todo um processo delituoso? Evidentemente, não é devido à pobreza, é algo que tem que ver com a psicologia humana e com as relações sociais.
Um vidro partido/quebrado numa viatura abandonada transmite uma ideia de deterioração, de desinteresse, de despreocupação. Faz quebrar os códigos de convivência, como de ausência de lei, de normas, de regras. Induz ao “vale-tudo”. Cada novo ataque que a viatura sofre reafirma e multiplica essa ideia, até que a escalada de atos cada vez piores, se torna incontrolável, desembocando numa violência irracional.
Baseados nessa experiência, foi desenvolvida a ‘Teoria das Janelas Partidas’, que conclui que o delito é maior nas zonas onde o descuido, a sujeira, a desordem e o maltrato são maiores. Se se parte um vidro de uma janela de um edifício e ninguém o repara, muito rapidamente estarão partidos todos os demais. Se uma comunidade exibe sinais de deterioração e isto parece não importar a ninguém, então ali se gerará o delito.
Se se cometem ‘pequenas faltas’ (estacionar em lugar proibido, exceder o limite de velocidade ou passar com o sinal vermelho) e as mesmas não são sancionadas, então começam as faltas maiores e delitos cada vez mais graves.Se se permitem atitudes violentas como algo normal no desenvolvimento das crianças, o padrão de desenvolvimento será de maior violência quando estas pessoas forem adultas.
Se os parques e outros espaços públicos deteriorados são progressivamente abandonados pela maioria das pessoas, estes mesmos espaços são progressivamente ocupados pelos delinquentes.
A Teoria das Janelas Partidas foi aplicada pela primeira vez em meados da década de 80 no metrô de Nova York, o qual se havia convertido no ponto mais perigoso da cidade. Começou-se por combater as pequenas transgressões: lixo jogado no chão das estações, alcoolismo entre o público, evasões ao pagamento de passagem, pequenos roubos e desordens. Os resultados foram evidentes. Começando pelo pequeno conseguiu-se fazer do metrô um lugar seguro.
Posteriormente, em 1994, Rudolph Giuliani, prefeito de Nova York, baseado na Teoria das Janelas Partidas e na experiência do metrô, impulsionou uma política de ‘Tolerância Zero’. A estratégia consistia em criar comunidades limpas e ordenadas, não permitindo transgressões à Lei e às normas de convivência urbana. O resultado prático foi uma enorme redução de todos os índices criminais da cidade de Nova York.
A expressão ‘Tolerância Zero’ soa a uma espécie de solução autoritária e repressiva, mas o seu conceito principal é muito mais a prevenção e promoção de condições sociais de segurança. Não se trata de linchar o delinquente, pois aos dos abusos de autoridade da polícia deve-se também aplicar-se a tolerância zero.
Não é tolerância zero em relação à pessoa que comete o delito, mas tolerância zero em relação ao próprio delito.Trata-se de criar comunidades limpas, ordenadas, respeitosas da lei e dos códigos básicos da convivência social humana.
Essa é uma teoria interessante e pode ser comprovada em nossa vida diária, seja em nosso bairro, na rua onde vivemos.
A tolerância zero colocou Nova York na lista das cidades seguras.
Esta teoria pode também explicar o que acontece aqui no Brasil com corrupção, impunidade, amoralidade, criminalidade, vandalismo, etc.
Reflita sobre isso!

Fiquem com Deus.
Vocês leitores do blog Coizaradas devem ter percebido que ele ficou sem atualização nos últimos dias... Pois tiramos uma férias do trabalho e também do mundo virtual e saímos do calorão da cidade para .. o calorão do litoral.. Nesse ano o local escolhido foi uma praia em Laguna, Santa Catarina, mais especificamente a praia do farol de Santa Marta.

De Lajeado até lá dá 440 kms bem contadinhos, saindo pela BR 386, depois nessa estrada aí da foto abaixo, a BR 448 ou Rodovia do Parque como é chamada.  É uma estrada nova que corta o caminho da região metropolitana de Porto Alegre e evita todo o congestionamento da BR 116 entre Canoas e Porto Alegre....
 Além de ser uma rodovia de trânsito rápido, a paisagem é bem  mais bonita com a vista do Guaíba e Porto Alegre ao fundo
 Aqui um trecho da BR 101 Sul que cruza os Estados do sul.. Interessante ver que em alguns trechos da estrada, toda a pista foi elevada para não afetar o ecossistema que havia antes da duplicação.


O acesso à praia do Farol não é muito bom, a estrada não é pavimentada, nem pense em ir até lá com carro rebaixado.
 
Mas ao chegar, a vista compensa todo o esforço...

A estrutura do famoso Farol é uma torre quadrada, em pedra, que possui lanterna e galeria. Suas paredes possuem 2 metros de espessura O farol eleva-se em meio a um grupo de casas térreas de faroleiros e outros edifícios. Além de ser localizado no ponto mais oriental da região, desde o século XIX o farol serviu para guiar as embarcações para longe da famosa Pedra do Campo Bom. Apesar disso, alguns naufrágios chegaram a ocorrer.
LocalizaçãoLagunaSC Brasil
Coordenadas28° 36′ S 48° 48′ W
Construção1891 (125 anos)
Inauguração11 de junho de 1891 (124 anos)
Altura29 m
Altitude74 m
Óticahiper-radiante de Fresnel
Alcance luminosoR 39 W 46 milhas náuticas
Luz característicaOc(3) WR 30s
№ Nacional3956
internacionalG-0600
№ da NGA18920[1]
№ da ARLHSBRA-032


Como todo gaúcho que se preza, mesmo nas férias, um chimarrão vai bem pra começar o dia.....

 Esse não é um lugar para agitação, mas para conhecer lugares e aproveitar o silêncio e descansar. Mas ainda assim tem mercados, padarias, farmácias, lojas de roupas, souvenirs e muitas pousadas e casas para aluguel.

Uma vista do farol do outro lado...



É incrível que ainda existam lugares como esse pelo litoral, descampados e sem aqueles espigões de janelinhas fincados na orla....


Depois descobri que essa parte da orla é uma área de preservação permanente. Alguns jogadores de futebol bem conhecidos nacionalmente até tentaram comprar parte dessa praia e fechar as portas para visitação , mas felizmente não conseguiram concretizar o negócio. Um local desse deve ser público e não restrito à alguns milionários gananciosos.

Em certos lugares, a paisagem nos remete aos cenários da série da HBO Game of Thrones., sério.



Há alguns anos atrás, só pescadores viviam nesse lugar, as casas deles ainda resistem á beira mar...


 Isso não é um morro, isso é uma montanha....


Pra ter uma ideia da altura, o carro na praia é uma Hilux...

 Na praia do Cardoso, ainda resistem bravamente os pescadores locais....








Uma selfie para registrar o momento...

A água é outro atrativo ... olha a cor...







Depois de uma semana, o caminho de volta pra casa... e como fica bem mais longe essa estrada...
Subscribe to RSS Feed Follow me on Twitter!